separate
Carioca, devoradora de bacon, estudante de RI com fortes tendências geeks, mochileira de carteirinha, viciada em pinterest e sonhadora de plantão.
banner ad
logo
Fernanda Maia

Do tesão de "ir embora"

Nem todo mundo entende essa minha loucura de querer fugir o tempo inteiro. Uns dizem que é covardia, outros que é loucura. Eu mesma considero "um tesão".
Afinal só eu sei a maravilhosa sensação de vida nova a cada vez que piso num lugar diferente, a cada casa nova e pessoas diferentes que assimilo na bagagem. Poucos conhecem o frenesi de entrar num avião uma pessoa exausta e sair dele uma nova, sem amarras, sem medos, sem passado, cheia de possibilidades.
Pode até ser covardia, medo de enfrentar os problemas, mas eu mesma não vejo o por que de bater de frente com eles quando posso bater de frente com coisas gostosas, com a  felicidade. Quero abraçar o mundo, conhecer lugares, provar de tudo.
Não sou do tipo que se prende a um lugar pelas pessoas, as amo e sempre amarei, mas amo mais a mim, a minha vida, a minha paz. E quando essa paz começa a ser perturbada eu já sinto, dentro de mim aquela vozinha sussurrando "tá chegaaaando a hora". E daí em diante eu não me aquieto, não tem quem faça eu mudar de idéia, isso quando não parto sem dar adeus a ninguém, fazê-los sofrer com a minha felicidade pra quê?
As piores fases são aquelas entre o primeiro momento que a vozinha fala até a hora de ir, faço de tudo para adiantar, para correr, mas ainda assim o tempo passa quase parando, como se dissesse "você tem muita pressa de viver, tem que passar pelos momentos ruins também", e eu lá quero sofrer?
Bota ansiedade nessa fase, a drama queen que reside em mim mal consegue falar com as pessoas, vira um poço de irritabilidade até o sublime momento de entrar naquele avião.
Ah! Quase como estar em casa! Até o vai e vem dos comissários me faz sentir bem.
E quando desembarco já estou pronta para assumir uma nova personalidade, uma nova mulher, uma nova Fernanda. Todas as possibilidades se abrem a minha frente como se dançassem para mim.
Já fui estudante, hippie, estrangeira, mochileira, empresária, patricinha... E quero continuar sendo, simplesmente sendo.

Um comentário:

  1. Dai desse assunto na nossa mesa de bar ontem que me fez ir pra casa pensando exatamente nisso. Viver novas experiências, novas pessoas, novo tudo. Eu não quero ir embora, só quero estar em outro lugar ;)

    ResponderExcluir

logo
Copyright © 2012 Champanhe e Gentileza.
Blogger Template by Clairvo